A vida me chamou, bagunçou meu mundo, virou minha existência de cabeça para baixo, decapitou minha existência. O fim virou começo. E eu me permiti começar.
Verônica H. (via fragmentosdeveronica)
Tudo bem, eu confesso, fosse situação inversa, eu já teria fugido de mim. Sou alguém completamente insuportável e louca. Eu agradeço por mesmo você indo tantas vezes, ainda volte pra mim. Ainda estar por perto é a mais bela prova de amor.

Apaguei meu cigarro, fechei meus olhos e pedi a Deus qualquer sinal de que ele ainda era o certo pra mim, pedi sabendo que não obteria respostas, alguém tão pecador como eu não merece. […] mas então, isso é um sinal ou apenas coincidência? O que fazer com isso? 

Sigo a vida conforme o roteiro, sou quase normal por fora, pra ninguém desconfiar. Mas por dentro eu deliro e questiono. Não quero uma vida pequena, um amor pequeno, um alegria que caiba dentro da bolsa. Eu quero mais que isso. Quero o que não vejo. Quero o que não entendo. Quero muito e quero sem fim. Não cresci pra viver mais ou menos, nasci com dois pares de asas, vou aonde eu me levar. Por isso, não me venha com superfícies, nada raso me satisfaz. Eu quero é o mergulho. Entrar de roupa e tudo no infinito que é a vida. E rezar – se ainda acreditar – pra sair ainda bem melhor do outro lado de lá.
Fernanda Mello (via entresorrisosesolucos)
É fácil morrer. A toda hora, em todos os lugares, a morte está se oferecendo. Mais difícil é continuar vivendo. Eu continuo. Não sei se gosto, mas tenho uma curiosidade imensa pelo que vai me acontecer, pelas pessoas que vou conhecer, por tudo que vou dizer e fazer e ainda não sei o que será.
Caio Fernando de Abreu  (via doistonsdeamor)